Réveillon ganhará agenda com 12 dias de eventos pela cidade

Notícias recentes sobre o que acontece de mais importante voltar

 

A festa de réveillon no Rio terá duração de 12 dias, com eventos espalhados pela cidade para aumentar o tempo de permanência dos turistas. Em Copacabana, além da tradicional queima de fogos, a ideia é produzir um espetáculo visual apresentando o Rio de Janeiro ao mundo, com direito a transmissão ao vivo por emissoras de TV internacionais. Essas mudanças estarão no caderno de encargos para a escolha da agência responsável pela organização da festa. Os detalhes serão lançados pela Riotur dentro de 15 dias, como noticiou no domingo a coluna Gente Boa, do GLOBO.

UMA FESTA CÊNICA

Entre as exigências da Riotur, estará a instalação de dez telões na orla. O palco principal terá show como nos anos anteriores, mas também será usado para um espetáculo cênico.

— Dentro do espetáculo que estamos solicitando às agências que vão apresentar seus projetos, haverá uma apresentação de uma hora aproximadamente para mostrar o Rio para o mundo. Acreditamos que emissoras de televisão vão transmitir. Isso nunca aconteceu. Queremos que o mundo inteiro veja a nossa história, o nosso povo, as nossas belezas. Teremos shows, mas teremos um roteiro mostrando o Rio. Lembra a abertura da Olimpíada? É isso. Um roteiro artisticamente construído. A queima de fogos será o encerramento — diz o presidente da Riotur, Marcelo Alves.

De acordo com o presidente da empresa municipal, os turistas que procuram o município para a virada de ano, em sua maioria, costumam chegar à cidade no dia 30 e vão embora no dia 1º de janeiro. Com a nova agenda, o objetivo é alongar a estada e incentivar o visitante a rodar pela capital.

— O primeiro réveillon para nós será um marco. Já temos a garantia anual de dois milhões de pessoas em Copacabana. Queremos que este seja o evento mais visto em todo o mundo, sendo passado em centenas de países. A cidade vai respirar réveillon um mês antes, em um plano de mídia que convidará todo o Brasil a vir para o Rio — afirma, otimista, o presidente da Riotur.

EVENTO MAIS CARO

A expectativa é que a empresa responsável pelo projeto seja escolhida em setembro. O orçamento e o custeio da festa da virada ainda não estão definidos. A proposta da Riotur é que a empresa vencedora também se empenhe em encontrar patrocinadores para o espetáculo:

— Será escolhida a melhor proposta artística, logística, de mídia e patrocinador. O evento será mais caro que em anos anteriores. Nossa ideia é ter o mínimo de participação da prefeitura. Quem apresentar a melhor ideia e, evidentemente, pagar por marcas levará. Quanto será? Não sei. Quem falará isso é a agência — aposta o presidente da Riotur.

De acordo com a empresa, 865 mil turistas movimentaram a economia carioca com US$ 691 milhões no último réveillon. Na festa do ano anterior, os números foram parecidos: o Rio recebeu 857 mil visitantes, que deixaram na cidade US$ 686 milhões.

Fonte: O Globo